quarta-feira, março 21, 2012

Eike Batista contrata ex-ministro da Justiça para defender Thor

thor-matéria
Na saída da Delegacia de Polícia, Thor parou para falar com "batalhão" de jornalistas

O ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, irá defender Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, que atropelou e matou um ciclista no último sábado (17) na rodovia Washington Luiz, na altura de Xerém, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A informação foi confirmada pelo escritório ao qual Bastos trabalha em São Paulo (SP).

Ainda de acordo com o escritório, o advogado Celso Vilarde irá trabalhar em parceria com Márcio Thomaz Bastos na defesa de Thor Batista.
Em sua página no Twitter, Eike Batista disse “só contrato o melhor, algum problema?”, em resposta a uma indagação de um internauta que questionou a contratação de um ex-ministro da Justiça para defender seu filho.
Responsável pela investigação, o delegado Mário Roberto Arruda, da Delegacia de Xerém (61ª DP), disse nesta quarta-feira (21) que considera a hipótese de a vítima, Wanderson Pereira dos Santos, 30 anos, estar cruzando a Rodovia BR-40 com sua bicicleta quando foi atingido pela Mercedes McLaren do jovem. A possibilidade de o ajudante de caminhão, que morreu na hora, estar no meio da pista e não no acostamento foi passada pelas testemunhas que já prestaram depoimento até agora - dois homens que passavam pelo local em seus carros.
Além dos dois motoristas, de Thor e do amigo que o acompanhava no carro, Vinicíus Racca, também prestaram depoimento nesta quarta-feira os dois patrulheiros da PRF (Polícia Rodoviária Federal) que fizeram o registro da ocorrência, totalizando seis depoimentos. O delegado está à procura de um terceiro motorista que teria presenciado o atropelamento. Ele deverá ser ouvido nos próximos dias. Arruda disse que não deve indiciar Thor por homicídio doloso (intencional), ainda que eventual (quando o autor assume o risco de cometer o crime) porque o filho de Eike não fugiu após o acidente e está colaborando com as investigações.
- Se for comprovado que ele estava acima da velocidade permitida, será indiciado por homicídio culposo, com pena de dois a quatro anos de prisão. O dolo eventual não se caracteriza nesse caso.
O delegado disse ainda que a Mercedes dirigida por Thor foi examinada ainda no local do atropelamento por peritos do ICCE (Instituto de Criminalística Carlos Éboli) e depois passou por perícia complementar na garagem da casa dele. O delegado não descarta pedir uma terceira perícia no veículo.
Segundo defesa, não há dúvida de que vítima cruzava a rodovia

De acordo com o advogado de Thor Batista, Celso Vilarde, há elementos seguros no inquérito da 61ª DP apontando para a responsabilidade do próprio Wanderson no atropelamento. Ele diz que, segundo as investigações, o acidente só ocorreu porque a vítima estava andando de bicicleta no meio da pista da BR-40, num trecho muito escuro. Para ele, este é o ponto central do depoimento das testemunhas.

- Meu cliente prestou todos os esclarecimentos e contou detalhes do acidente. Se ele não fosse filho de quem é, isso não teria tanta repercussão, pois acidentes como esse acontecem bastante nessa rodovia. Não existe nenhum cabimento o atropelamento ter ocorrido no acostamento. E o Thor estava na velocidade permitida.

O advogado confirmou que o carro do rapaz está intocado na garagem à espera de uma possível terceira perícia.

Na saída da delegacia, após quase 1h de depoimento, Thor falou rapidamente com os jornalistas.

- Gostaria de fazer uma breve declaração para a família [da vítima do acidente]: eu lamento profundamente. Respeito a dor da família. Sei que é complicado. Mesmo convicto da minha inocência, eu confirmo que vou prestar todo o apoio necessário à família. Até o que for mais que o necessário.

Thor chegou à delegacia acompanhado de cinco seguranças e dois advogados. O amigo dele, Vinícius Racca, foi ouvido por cerca de três horas pelo titular da Delegacia de Xerém (61ª DP), Mario Roberto Arruda.






Fonte Portal.. Portal R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário