quinta-feira, outubro 09, 2014

Lula deu diretoria a Paulo Roberto após pressão de aliados, diz Youssef

Jornal de Londrina / Arquivo / No depoimento, Youssef disse também que o esquema de corrupção tinha agentes públicos No depoimento, Youssef disse também que o esquema de corrupção tinha agentes públicos "mais elevados" que Costa
No depoimento, Youssef disse também que o esquema de corrupção tinha agentes públicos "mais elevados" que Costa

Em depoimento prestado à Justiça Federal na quarta-feira (8), o doleiro Alberto Youssef afirmou que o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa foi empossado no cargo, em 2004, após o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ceder à pressão de "agentes políticos" ligados ao esquema.
Questionado por seu advogado de defesa se sabia por que um diretor que antecedeu Paulo Roberto na área de Abastecimento havia sido retirado do cargo, Youssef disse: "Para que Paulo Roberto Costa assumisse a cadeira de diretor da Diretoria de Abastecimento esses agentes políticos trancaram a pauta no Congresso durante 90 dias".
Costa diz que PT, PMDB e PP recebiam dinheiro de esquema na Petrobras
O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, abriram o jogo ao prestarem depoimento na sede da Justiça Federal, em Curitiba, na tarde desta quarta-feira (8). Durante o interrogatório, os dois detalharam o pagamento de propina em contratos envolvendo a Petrobras e três partidos políticos: PT, PMDB e PP. “Paulo deixou bem claro que esse esquema beneficiou a campanha de 2010. Ele citou três partidos grandes”, disse o advogado de Alberto Youssef, Antônio Figueiredo Basto.
"Na época o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou louco, teve que ceder e realmente empossar o Paulo Roberto Costa", completou o doleiro.
Ainda durante o depoimento, o operador do esquema disse que havia reuniões entre ele, Paulo Roberto Costa, representantes de empreiteiras e "agentes políticos" - Youssef não citou nomes. Essas reuniões, segundo ele, eram registradas em atas. "Nós participávamos de reuniões, no caso ou em hotéis no Rio ou em hotéis em São Paulo, ou na própria casa -vamos falar- do agente político, que primeiramente comandava esse assunto através da área de Abastecimento", disse.
"Nessas reuniões eram feitas atas de discussão de cada ponto que estava sendo discutido ali naquele dia."
Os assuntos tratados nessas reuniões eram valores de contratos e combinação de resultados em licitações, sempre de acordo com o depoimento do doleiro.
"[As reuniões aconteciam] para se discutir exatamente questão de valores, questão de quem ia participar do certame, esse tipo de situação. E outros problemas que também se encontravam nas obras que pediam para ser solucionados, esse tipo de assunto. Isso era feito uma ata."
Costa e Youssef fizeram acordo de delação premiada e prestaram depoimento à Justiça Federal nesta semana. Deflagrada em março pela Polícia Federal, a Operação Lava Jato descobriu uma ação que movimentou estimados R$ 10 bilhões. Segundo a PF, uma "organização criminosa" atuava dentro da empresa.
No depoimento, Youssef disse também que o esquema de corrupção tinha agentes públicos "mais elevados" que Costa. Tanto Costa como Youssef disseram que o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, intermediava os recursos desviados de obras da estatal para o PT. Outras siglas beneficiadas no esquema seriam o PP e o PMDB.

Fonte da Noticia: Gazeta do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário